quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Reflexões sobre o estilo Gyaru na atualidade



*Este é um artigo de opinião, portanto nele estão contidas minhas impressões, fiquem a vontade para discordar ou 
concordar para que possamos gerar uma discussão sobre o assunto e uma reflexão.

 Gyaru: Antigamente x Atualmente

Se você acompanha o site Galaxy109 deve ter se inteirado da atual situação dos Gyaru-o nesta matéria: “O fim dos Gyaru-o?”. Isto me fez partir para uma reflexão sobre o estilo Gyaru, como andamos? Gyaru passou por altos e baixos, tivemos praticamente uma extinção do estilo Mamba e Ganguro e uma “evolução” do estilo. Não muito distante, uma das maiores revistas gyaru saiu de circulação, a PopSister, será que o estilo também está ameaçado? Não sei, provavelmente não, outras revistas também haviam sido cancelas antes (como pode verificar aqui), mas o certo é que o gyaru está passando novamente por uma mudança, e quais seriam elas?

Gyaru já esteve muito mais ligado ao estilo de vida. “Gals have for fun” era o lema de diversas garotas que bronzeavam a pele e iam a Shibuya encontrar seus galcirs* para dançar Para-ParaAs batidas do eurobit estavam incluídas na cultura gyaru. A maioria das meninas que não queriam se graduar em gyaru acabava indo para empregos em salões de beleza ou modelagem, pois o estilo era a vida delas. Outras mais populares fundaram grifes de roupas, maquiagem e/ou cosméticos.
 
 Angeleek era um dos maiores e mais influenciadores galcirs antigamente

 A revista PopSister que contava com modelos como Tsubasa Masuwaka e Nana Suzuki foi cancelada

Mas o estilo mudou e com eles os costumes, estilos mais extremos como Agejo e B-Gal (alguns afirmam que estas não se consideram gyarus, mas um estilo a parte *carece de fontes) se afastaram, sendo praticamente um subcultura a parte das gyarus. Foi permitida a pele clara, os traços dos olhos ficaram mais finos, a nail art em boa parte se perdeu, fora tantas outras alterações e coisas que deixaram de ser obrigatórias. Então entraram em cena os estilos mais casuais. A Ageha e EGG talvez sejam as únicas a ainda manter um pé nos estilos mais extremistas (Porém, até mesmo a Egg não é a mesma). Mas e a cultura? A diversão? Eu particularmente acredito que o estilo passou para um lado muito mais consumista e de mercado do que um estilo de vida, se antes para ser gyaru tínhamos que entrar em um circle, até mesmo aprender a dançar para-para e sair com as amigas sem se importar a hora de voltar para casa, agora gyaru se fincou como uma moda, com transições e sem amarras de personalidade. Gyaru deixou de ser um estilo de se vivenciar para se transformar em um estilo apenas um estilo de vestir. Veja bem, não quero dizer com isto que usar gyaru não tenha um reflexo no nosso modo de agir, apenas que aquele comportamento esperado não é mais obrigatório. O artigo traduzido do Gyarupoyo traz exatamente este tipo de questão, leia aqui.  

 EGG da época da Buriteri (1999) e EGG de novembro de 2013 - Nem parece a mesma revista não é mesmo?

Se observarmos as revistas gyarus mais recentemente, constataremos uma cada vez maior de inserção de outros estilos dentro do gyaru. Como falei no meu post passado, há uma inserção maior da moda coreana, por exemplo, o puffy eyes. E claro, uma grande absorção do estilo americano, assim como as californianas influenciaram bastante o estilo no início, hoje o american street fashion continua a inspirar o gyaru, assim como toda moda mundial. Essa incorporação de estilos tornou o gyaru mais rico e complexo, mas também contribuiu para certa perda de identidade.

Identidade esta que o galcir Black Diamond, com suas Kuro Gyarus tentam reaver. A idéia da pele bronzeada, se apoiar numa grife (a D.I.A.), num estilo mais específico (o Rokku) e ter apoio de revistas (a EGG e Soul Sister), vem ajudando a esta subcultura ganhar novamente força. 

 O Galcir Black Diamond conta com membros não apenas japoneses, mas de 20 países diferentes

 A revista Soul Sister traz um gyaru muito diferente das revistas atuais

O grande problema que vejo no estilo gyaru atual é que ele vem se tornando diluído, o que dificulta uma rápida percepção do “o que é gyaru?”. Revistas que antes tinham grande quantidade de gyarus como modelos, como a Vivi e Blenda, se tornam tão casuais que por muitas já estão sendo desconsideradas como exemplos do estilo. É claro que isto não é de todo um problema, afinal, quanto mais casual mais fácil de ser adaptado e mais fácil de ser encontrado, porém, como um estilo não tão regrado quantos os de Harajuku, a coordenação correta é mais difícil.

Um ponto muito interessante na entrevista do Uetake é quando ele aponta que os jovens deixaram-se de se reunir em Shibuya e ela perdeu seu atrativo, que era justamente aqueles jovens reunidos. E ele ainda aponta que as relações virtuais ajudaram para que isso acontecesse. Isto me fez lembrar no início da divulgação do Gyaru no Brasil, a Caramel, apontava que gyaru não era “estilo de internet” era para se sair, usar na rua, não para fotos e ser elogiada por pessoas virtuais. Temo que estejamos perdendo, ou se não já perdemos, essa conscientização sobre o estilo.

Para mim gyaru não vai acabar, não ainda, mas vai mudar, novamente. Os estilos mais extremos vão se afastar ainda mais, quase se tornando uma cultura a parte, e o restante irão se a readaptar as modas atuais, a ponto de que algumas não as considerem mais como Gyaru de fato. Apesar de que isto não é bem uma previsão, é quase uma constatação como demonstrou a Lara no artigo “Vida de Gaijin”. Espero que nós, estrangeiras, Gaijins, ajudem a manter o estilo vivo.

E para você, quais são suas opiniões? Essas mudanças a agradam? Tem algo que discorde? Não deixe de comentar. 

Leia também o artigo do Universal-Doll (em inglês).


*Galcir ou Galcircle: Ao pé da letra: Círculo Gyaru e se refere a grupos fechados de gyarus, um dos mais famosos galcirs foi o Angeleek. Atualmente o maior e mais famoso é o Black Diamond.

7 comentários:

karol Yuuki disse...

Oi Mandy, gostei muito do seu post hoje.
Realmente a aparência do estilo perdeu muito da sua força e parece demais com o resto das trends ocidentais. Hoje em dia, vejo revistas como a Ageha pra maquiagem, o que nunca pensaria em fazer pouco tempo atrás, porque era muito extremo pra mim, mas hoje em dia é o que se tem de diferente, ou a Kera, mas Kera não é gyaru então não conta muito.
Enfim, espero que o estilo não se dilua totalmente e que continuemos vendo essa coisa que é tão legal que é o Gyaru por aí por muito tempo.

Carrie disse...

Isso de sair e se divertir sem se importar com o amanhã foi uma das coisas que mais me atraiu na moda. Enquanto lia a entrevista do Uetake e ele dizia que isso não existia mais, foi uma constatação triste de algo que já vinha percebendo. É como se tivessem deixado morrer uma das partes mais divertidas, que você lembrou muito bem com o comentário da Caramel, e sei lá, eu realmente não vejo muito sentido em seguir uma moda _apenas_ pra ser reconhecido no meio virtual. O grande diferencial do street style, é justamente a forma como ele está enraizado no nosso dia a dia, daquilo ser um estilo que expressa a criatividade de pessoas comuns, na sua rotina. Foi isso que conferiu magia à diversos estilos, seja o punk de Londres ou gyaru lá no Japão.

Eu confesso que revistas mais "lights" como a Viivi são uma fonte de inspiração pra mim, mas eu a vejo como uma revista de beleza como qualquer outra...Já a Soul Sister, ela realmente grita gyaru pra mim <3 E o gyaru que é uma grande inspiração pessoal, que contribuiu pro meu estilo pessoal e fala muito sobre a diversão, o poder, o girl power :D

Adorei as considerações, serviram de complemento para algumas coisas que estava refletindo ultimamente :)

Luiza Morand disse...

Apesar de ser meio off-topic, eu tinha que falar isso: Tô extremamente feliz que você tenha postado! Eu acho super gostosa sua forma de escrever e adoro seu blog desde a época da comunidade gyaru do orkut!
Eu sei que a faculdade deve ser hardcore, mas se você puder arrumar um tempinho pra escrever, vai me fazer uma pessoa muito feliz! hauauhuahauh <333333

Thalita Carnevale disse...

Amanda, eu acho que a moda vai e volta. E se gyaru é um estilo da moda, ele vai, volta, com inúmeras tendências.
Acabar? Olha, não acaba não. Até porque esse é ''o jeito das meninas se vestirem'' (como a Lara disse no post dela no galaxy109) e se as meninas e os meninos gostam desse ''jeito'', ele vai continuar assim por bastante tempo!

rika disse...

"This Account Has Been Suspended" no galaxy, socorro. DDD: tinha guardado o post sobre gyaruo pra ler depois...

essa diluição do estilo não é de hoje, né? tanto que quando o estilo começou a ficar mais popular aqui, pegamos essa fase mais "casual" e as pessoas tinham muita dificuldade de diferenciar os elementos da moda... pra mim, que mora no brasil, soa um pouco exagerado considerar que o gyaru "padrão" de hoje é a mesma coisa que qualquer menina trendy que ande em shibuya, mas no japão gyaru deve estar cada vez sumindo mais mesmo... enquanto nos outros países a gente só vê crescer? não deixa de ser uma internacionalização natural com a internet. e isso de estilo de vida difinitivamente não funciona em todos os países, por mais que as pessoas queiram. ásia e europa sempre foram lugares em que a moda mais extravagante poderia ser aplicada mais facilmente, e continuam sendo. :/

mesmo com o black diamond, uma resposta pra essa simplificação, eu acho que esse é um tipo de estilo que não tem mais volta. minha previsão (que é meio que já é o que está acontecendo) é que a gente vai ver a influência de gyaru em todos os estilos japoneses jovens mas que ele em si não vai crescer mais como uma unidade, apenas continuar de acordo com cada nova tendência agregada.

Mayumi Aline disse...

Fiquei muito feliz que você postou Amanda!*-*
Bom, acho que gyaru parece estar acabando porque hoje em dia gyaru se tornou quase o oposto do que era no início. Mas não passa de uma mudança mesmo.
Eu acredito que chegou a esse ponto, onde gyaru perdeu a sua "magia" porque hoje em dia qualquer menina pode ser gyaru e as características de gyaru faz com que ela se espalhe e mude facilmente.
E daqui pra frente gyaru vai continuar mudando porque gyaru é simplesmente "a repetição de construção e destruição". Elas fazem uma cultura e depois destrói.
Se gyaru virar apenas moda, acredito que será como a Rika disse. Mas agora que a cultura gyaru diluiu, quem sabe um dia não aconteça um "reset" e gyaru volte à origem(de uma forma diferente claro). Ainda tenho esperanças de que gyaru volte a brilhar ;)

rika disse...

ah, e você viu esse episódio do kawaii international? eles falam EXATAMENTE sobre essa questão! http://www.youtube.com/watch?v=LZrFbapwrJU

Postar um comentário

 

. Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos