quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Akamoji-kei x Gyaru

Gyaru ultimamente tem tendido pro mainstream*, mesmo que grupos como o Black Diamond tentem reviver o “true gyaru power” (e aquele blábláblá todo que já comentei tanto aqui quanto em outros lugares). Porém haviam coisas que ainda não faziam sentido na minha vida, era aquele “mainstream demais” comum de revistas como Vivi, CanCam, JJ e Ray, que chegavam perto, mas não eram gyaru. Eis que tudo fez sentido quando um nome surgiu na tela no computador: Akamoji-kei. Esse nome tão próximo do Aomoji, mas ao mesmo tempo tão longe do estilo (vejam as diferenças aqui). A sensação que tive foi quase de iluminação e honestamente, me sinto ignorante por não ter conhecimento do termo. Muita coisa fez sentido, é sim um estilo quase (eu disse quase) irmã de gyaru, afinal com o declínio econômico o estilo pegou um pouco da mistura com o gyaru, criando o onee-kei (qual apontarei novamente na conclusão desse artigo). Mas é aquela irmã séria demais, falta aquele quê de ‘feeling gyaru’ que tanto pedimos para vocês no Everyday.

[ATENÇÃO! Que fique bem claro a partir desse ponto que apesar do artigo estar inserido aqui, NÃO se trata de subcultura Gyaru –assim como o Neogal, leiam o update– estou trazendo o estilo a título de curiosidade e desmistificação.]

Akamoji-kei (literalmente traduzido como Letra-Vermelha) é uma moda bem mainstream, que tem como público alvo mulheres por volta dos 20 anos, funcionárias de escritórios (office ladies) e estudantes universitárias, que possuam um estilo mais conservado. Apesar disso, é um estilo elegante e longe de ser ultrapassado. O nome vem de cinco revistas que eram conhecidas pelo título em vermelho na página de rosto.



Revistas: Vivi, Ray, CanCam, JJ e PINKY (suspensa)
Você pode ver online aqui ou fazer download aqui

É um estilo pensado para ser popular com os homens, e preferível por mulheres que necessitam cumprir padrões estabelecidos pelo local de trabalho e escola. Sempre antenado nas tendências, o estilo vem evoluindo desde os anos 70, adequando-se às jovens gerações. Nas revistas do estilo, as modelos em maioria têm o cabelo castanho ou preto e maquiagem de efeito natural.

 
Exemplos de cabelo e maquiagem Akamoji. (Meio distante da make gyaru não é?)

Claro que como toda subcultura ela possui seu ícones, que incluem: Rola, Suzuki Emi e Nozomi Sasaki. Rola começou como modelo da revista gyaru Popteen, no entanto mais tarde se tornou modelo da Vivi em 2008 e disparou em popularidade, fazendo aparições na TV e estreando como cantora. Suzuki Emi é uma modelo de origem chinesa e trabalhava com a Seventeen e PINKY. Por último, Nozomi Sasaki, que também começou na PINKY tornou-se popular em 2009 e está atualmente trabalhando como modelo, aparecendo na TV e ocasionalmente cantando.

 
As modelos Rola, Suzuki Emi e Nozomi Sasaki.

Apesar de tudo, essas revistas no ocidente por muito tempo foram indicadas como revistas gal. Honestamente eu não entendia, sentia que faltava aquele glamour, faltava o ‘feeling’. As diferenças entre gyaru são bem óbvias. A maquiagem gal em si é muito mais pesada, mesmo quando segue uma linha mais natural sua elaboração é mais complexa, itens obrigatórios em um não está sempre inserido no outro. O cabelo em gyaru permite os mais variados tons. Mesmo que com a aproximação dos estilos o castanho e o preto tenham ficado mais populares em gyaru, no Akamoji tons fantasias e platinados não são considerados ideais, afinal é um estilo mais conservador. Em questão de roupas, trends como mode e retro gyaru, além das onees, se assemelham ao akamoji, sendo que em gyaru é permitido brincar mais com cores e padrões, como vemos em tantos subestilos. Ideologicamente? Já falei isso antes, mas gyarus querem se divertir! Muito diferente de office ladies e universitárias. Obviamente as questões de lifestyle estão muito longe de nós ocidentais como explicou esse ótimo artigo do Galaxy 109.

Imagens da revista Vivi de Novembro/2014
 Ray de Novembro/2012 e Vivi Agosto/2013.

 CanCam de Abril/2013. À esquerda vemos a Kyary Pamyu Pamyu ao estilo Akamoji, podemos ver a mudança drástica do seu estilo habitual o Aomoji.


Apesar de muitos apontarem a similaridade dos nomes Akamoji e Aomoji, creio que na questão do estilo este primeiro está mais próximo do Gyaru e pode gerar muito mais controvérsia e confusão. Afinal, eu mesma tinha minhas dúvidas. É aquela: “parece mais não é” e nesse caso, não é mesmo!

*Mainstream: termo utilizado para tendência ou moda principal e dominante. Nesse caso refere-se a estilos que faze referência a 'moda comum'.

Leia também: Esse artigo do TFG mostra algo bem legal da revista Vivi, que é a miscigenação das modelos, confira

2 comentários:

Elisa disse...

Muita coisa passou a fazer mais sentido no meu cérebro agora, haha.

Michele Rangel disse...

Concordo com a Elisa! Hahaha...
Perfeita essa postagem! Aliás, todas! Melhor blog ever!

Postar um comentário

 

. Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos